PARA SUA FAMÍLIA

Observar os filhos e manter continuamente um diálogo sincero e aberto sobre os fatos atuais, tendências e situações que podem colocar o jovem em risco é essencial, especialmente no período da adolescência.

 

Nesta fase, a pessoa está ávida por novidades, pela experimentação, em busca de sua liberdade. Isso tudo é muito positivo para determinar a personalidade do futuro adulto, porém, é nesta fase que a pessoa está mais suscetível, pois não desenvolveu completamente alguns sensos. Torna-se um alvo fácil.

 

Para auxiliar os pais a observar o comportamento dos filhos e tomar as devidas medidas preventivas, enumeramos alguns hábitos padrão que servem de alerta. É importante frisar que a observação de uma dessas alterações não quer dizer que o jovem esteja consumindo algum tipo de droga.

 

A mudança no comportamento pode significar algum distúrbio psíquico, ou apenas uma forma de chamar a atenção. A abordagem de pai para filho, portanto, deve ser feita com muito tato, compreensão, humanidade. Caso contrário, o resultado poderá ser exatamente o oposto do que os pais esperam.

Sinais de alerta:

– Mudança brusca de conduta do adolescente.

– Apresentação de insônia (o próprio jovem se queixa ou os familiares percebem).

– Irritabilidade sem motivo aparente (por qualquer coisa origina-se uma explosão nervosa).

– Inquietação motora, que faça com que o jovem não tenha paciência para acompanhar os familiares nas horas das refeições (impaciente, inquieto, irritadiço, agressivo, violento).

– Depressões, estados de angústia sem motivo aparente.

– O jovem vem fazendo um bom ou regular currículo escolar e, de repente, sem qualquer explicação, cai o aproveitamento ou desiste bruscamente de estudar.

– O adolescente que recusa sair de seu quarto, evitando qualquer contato com amigos e familiares, isolando-se de tudo e de todos. Ou então passa a ter amizades muito diferentes das habituais.

– Mudança de hábitos: passa a dormir de dia e fica acordado à noite, ouvindo seus discos com o máximo de volume, não se preocupando se está molestando os outros.

– Comprimidos, seringas ou cigarros estranhos encontrados entre os pertences do jovem.

– Desaparecimento de objetos de valor ou dinheiro; ou, ainda, um incessante pedido de dinheiro. O jovem passa a precisar de dinheiro cada vez em maior quantidade, a fim de atender à exploração do traficante para a aquisição do produto que lhe gerou dependência.

– Observe sempre as companhias. Às vezes, as más companhias dão início a um caminho difícil de volta.

– Não deixe as luzes acesas. Durante o dia, significam ausência do morador.

– Desligue a campainha. Assim você deixará o curioso em dúvida.

– Não coloque cadeados nos portões do lado de fora. Eles são a prova de que não há ninguém em casa.

– Suspenda a entrega de jornais e revistas. Acumulados na frente de casa, comprovam sua ausência.

– Se não tiver uma pessoa que possa acender e apagar as luzes diariamente, use célula fotoelétrica.

– Procure deixar seu telefone com um vizinho de confiança. Ele poderá avisá-lo ou consultá-lo sobre movimentos suspeitos. Telefone para ele periodicamente para saber se está tudo bem ou avisá-lo sobre qualquer mudança na rotina da sua casa durante sua ausência.

– Durante ausências prolongadas, peça a alguém de confiança que demonstre presença em sua casa, abrindo janelas, ligando o som, regando jardins, recolhendo correspondências, etc. Evite tudo que possa demonstrar aspecto de abandono, como jardim sujo.

– Antes de viajar, faça uma revisão geral em seu veículo, verificando pneus, freios, nível do óleo, água do radiador (se houver), piscas, sinaleira, luz de freio, alerta, extintor, triângulo, etc.

– Evite horários de pique e não dirija cansado, com sono ou após ingerir álcool.

– Crianças devem ser conduzidas somente no banco de trás e sempre com cinto de segurança bem adaptado ao seu tamanho. Dependendo da idade, deve-se utilizar o assento infantil.

– Não entre, os arrombadores poderão estar ainda no local. Ligue para a polícia (190) e aguarde a chegada de uma viatura. Em seguida, faça registro da ocorrência na delegacia mais próxima.

– Nunca aceitar carona de estranho, independente de ser homem ou mulher, simpático, atencioso, ou mesmo se apresentar como policial pronto para ajudar. Os verdadeiros policiais, comunicam a família antes de tomar qualquer atitude em relação a uma criança perdida ou necessitando de ajuda.

– Recusar presentes de estranhos, principalmente guloseimas. As crianças são facilmente atraídas por doces e outras armadilhas.

– Afastar-se de estranhos que o tocam ou acariciam e pedir ajuda. Sempre comunicar o fato aos pais ou responsáveis.

– Na rua, se algum motorista pedir informações, manter distância das portas. Se aproximando, fica fácil de a criança ser colocada rapidamente para dentro do carro, sem ninguém perceber.

– Não responder perguntas a estranhos. Continuar andando, quando isso acontecer.

– Sempre que possível a criança deve levar um celular devidamente carregado e com a agenda de telefones de emergência e de toda a família cadastrados, para serem facilmente contactados.

– Evitar de ir a clubes, salões, etc, sem companhia. Uma criança deve ir acompanhada por um parente ou responsável adulto.

– Informar qualquer atitude estranha de algum desconhecido ao professor da escola, pais ou policial.

– Ir acompanhado, mesmo que na padaria da esquina. Molestadores, muitas vezes, moram na mesma rua da criança e estão esperando o momento para atacar.

Os cuidados com a segurança das crianças vão desde a saída da residência até a entrada na escola, seja o transporte realizado em veículo coletivo, escolar, familiar, de bicicleta ou a pé.

 

– Não tenha pressa. Ela gera distração e riscos à segurança. Procure antecipar-se ao horário de início das aulas, você evitará congestionamentos e terá mais facilidade em encontrar espaço para estacionamento.

– Utilize o cinto de segurança e a cadeirinha para transporte de crianças com até 1,45m. Não esqueça que menores de dez anos devem permanecer no banco traseiro.

– Embarque e desembarque devem ser feitos sempre pelo lado da calçada.

– Não deixe crianças sozinhas no veículo.

– Vacine seus filhos contra doenças infectocontagiosas. Essa questão também se refere à segurança deles e da sua família.

– Faça com que seus filhos somente sejam liberados da escola mediante a sua presença ou de pessoas a quem você delegar essa responsabilidade.

– Olhar para os dois lados na travessia de rua e usar a faixa de segurança.

– Não atravessar atrás e/ou na frente de veículos.

– Utilizar equipamentos de segurança quando transitar de bicicleta.

– Não carregar mochila com peso superior a 10% do peso corporal.

– Evitar andar sozinho e conversar com estranhos no trajeto casa/escola.

– Tenha certeza de que todas as portas e janelas estejam trancadas.

– Se estiver em um cômodo no nível térreo, onde os passantes podem enxergar o interior, procure manter as cortinas fechadas, principalmente se neste cômodo houver televisão, vídeo, computador e demais objetos de valor.

– O porteiro eletrônico e o uso de grades tornam uma casa ou edifício mais seguros, pois as pessoas não ficam em contato direto com a porta de entrada. Nunca abra a porta para conferir quem está do outro lado sem utilizar o porteiro eletrônico, ou visualizar antes.

– Se você ouvir barulhos suspeitos dentro ou fora de casa, acenda várias luzes.

– Mesmo sozinho em casa, se algum estranho bater na porta, converse alto como se houvesse alguém junto de você.

“Mãe, prende o cachorro!”. Em último caso, peça uns instantes para buscar a chave ou desligar o fogão, e chame a segurança ou ligue para a Polícia Militar, cujo número em todos os estados é 190.

– Instale o sistema de detector de fumaça e botões de emergência, muito úteis para idosos e pessoas que moram sozinhas.

 

Usando o chaveiro do carro para se defender

A dica é de um coordenador de segurança residencial e pode salvar vidas:

Ponha o chaveiro do carro ao lado da sua cama à noite. Este é um sistema de alarme que não precisa de instalação e pode auxiliar na segurança dentro de casa.

– Caso você ouça algum barulho no jardim e/ou ache que um invasor está tentando entrar na sua casa, basta apertar o botão do chaveiro que o alarme do carro dispara. A buzina vai tocar daquele jeito escandaloso até que você aperte o botão de reset do chaveiro ou que a carga da bateria se esgote.

-Teste-o. Ele vai disparar se você apertar o botão a partir de quase todos os lugares da sua casa.

– O alarme funciona se o seu carro estiver estacionado na rua, em frente de casa, na entrada para carros ou na garagem.

– Se o alarme disparar, dali a alguns segundos todos os seus vizinhos estarão olhando pelas janelas para ver quem está lá fora e isso é coisa que nenhum criminoso quer. O mais provável é que o ladrão ou o estuprador saia correndo e desapareça.

– E não se esqueça de estar com o chaveiro na mão ao caminhar em direção ao seu carro em um estacionamento – o alarme pode ter a mesma utilidade.– Esse recurso também é útil para as emergências médicas, como no caso de um ataque cardíaco ou numa queda. Se a pessoa não conseguir chegar até o telefone durante a crise, ela poderá disparar o alarme para chamar a atenção e pedir socorro.